Outras páginas

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Política e Religião


Por Patrus Ananias,
Ex-ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome



A César o que é de César e a Deus o que é de Deus”. A civilização ocidental esperou até o início da Idade Moderna para que esse ensinamento cristão se traduzisse nas teorias de constituição do Estado, a partir dos conceitos de secularização desenvolvidos pelos contratualistas, tendo em Hobbes a principal referência. Separa-se o trono do altar, a Igreja do Estado, o poder invisível (espiritual) do poder visível (temporal, do Estado), representando uma conquista civilizatória.

Ninguém questiona a importância de um Estado laico, plural, tolerante, republicano, para que possa agir de maneira independente na defesa do bem comum. Os valores trazidos pela secularização têm essa dimensão republicana, tão cara às democracias modernas. Mas reconhecer isso não nos impede de perguntar: em que medidas estamos correndo o risco de distorcer o conceito e usar a defesa de uma pretensa secularização para promover um esvaziamento ético e espiritual da vida pública?

Uma coisa é estabelecer campos distintos entre Igreja e Estado e assim deve se organizar a vida pública. Isso não pode implicar em banir a dimensão espiritual, eliminar a possibilidade de trocas entre os vários campos da mesma vida pública. Dizia Hannah Arendt, ao analisar historicamente esse processo de separação em seu livro A Condição Humana: “a secularização significa separação entre Igreja e Estado, entre religião e política (...) e não uma perda de fé e transcendência ou um novo e enfático interesse nas coisas do mundo”.

Se fizemos muito bem em buscar os limites que separam, de maneira clara, Igreja e Estado, penso que muito bem também fazemos se aceitarmos o desafio de continuar a pensar como, respeitando os princípios da secularização, religião e política se integram. Se está claro o que os separa, também claro deve estar o que os une, já que ambos se pautam pelo compromisso com a vida. Todas as tradições religiosas têm na defesa da vida seu mais elevado objetivo. E o que media a construção de um conceito vigoroso de bem comum senão a defesa da vida? A desejada justiça social se orienta por esse princípio. A função social da propriedade e do lucro, essencial para consolidar a justiça social, é definida textos constitucionais, mas também se ampara em textos religiosos. Ambos perseguem os direitos presentes na construção da dignidade humana.

Na vida pública, encontramos muitos exemplos de religiosos que unificaram a espiritualidade e a política. Homens que vivenciaram as experiências místicas sem perder de vista o compromisso com o mundo dos homens e também enriqueceram o mundo dos homens com os ensinamentos da transcendência.

No Brasil, um dos nossos exemplos é de Dom Hélder Câmara, que colocou os ensinamentos da Igreja a serviço da construção do bem comum. Sacerdote, não perdeu a dimensão do homem público. Da mesma maneira, o pastor protestante estadunidense Martin Luther King orientou sua liderança espiritual na luta contra a discriminação. Mahatma Gandhi é outro grande exemplo de encontro das duas dimensões do homem na vida pública. Para ele, quem dizia que política e religião não têm relação entre si não entendia de nenhuma das duas coisas.

A Igreja separa-se do Estado para que não submeta as questões plurais das relações sociais a leis eternas. Mas não podemos nos esquecer que as vontades dos homens que governam e decidem os futuros do mundo carecem de referências éticas e morais, dois grandes temas das questões religiosas.

Eis um desafio da vida pública: os valores da transcendência estão presentes em nossa condição humana e, por isso, acredito que temos de repensar o Estado à luz das grandes questões filosóficas que nos envolvem. A secularização não poder ser sinônimo de pragmatismo absoluto. Nessa tentativa de recuperar as grandes questões da condição humana, todas as correntes de pensamento precisam ser consideradas e penso que as tradições religiosas têm muito a contribuir.

Isso não significa, obrigatoriamente, uma simples inclusão da Igreja como aparelho de Estado, não implica em trazer a igreja para a burocracia estatal. Essa é a estrutura que alguns contratualistas apontam como a porta de dominação do povo pela religião. Mas as esferas de poder, mantidas em campos distintos porém dialogantes, pode nos trazer grandes ganhos, sobretudo na defesa do bem comum e, numa dimensão libertária da religião, investir em uma educação emancipadora que mantenha e fortaleça no ser humano o desejo de ir além.

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Corinthians rumo ao sonhado título


A delegação do Corinthians embarcou nesta segunda-feira à tarde para Buenos Aires, onde enfrentará o Boca Juniors na quarta-feira, pela primeira partida decisiva da Libertadores. E logo na chegada ao aeroporto de Guarulhos os jogadores puderam sentir o apoio da torcida.

Centenas de torcedores compareceram ao embarque para apoiar a equipe, que luta pelo feito histórico de conquistar a primeira Libertadores do clube. Desde a saída do ônibus até o embarque, os atletas foram acompanhados por corintianos, que cantavam o hino do time.

Boa parte destes torcedores também estarão acompanhando o Corinthians na Argentina. Muitos deles estão indo para Buenos Aires por conta própria, mesmo sem ingresso, com esperança de conseguir entrada para a decisão em La Bombonera.

Esta é a primeira vez que o Corinthians chega na final da Libertadores e a torcida não esconde que a competição é seu maior desejo. Para alcançar este objetivo, a equipe brasileira precisará passar pelo Boca Juniors, seis vezes campeão, nas finais que aconteceram nesta quarta, em Buenos Aires, e no dia 4 de julho, no Pacaembu.

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Vereador X Politicagem



FUNÇÕES DO VEREADOR
  •  Fiscalizar o prefeito, o vice-prefeito e os secretários municipais;
  • Propor leis de interesse municipal, debatê-las e aprová-las;
  • Votar projetos de lei enviados pelo prefeito; 
  • Organizar os serviços da Câmara Municipal.

 NÃO SÃO FUNÇÕES DO VEREADOR
  •  Distribuir peixes, carros-pipa ou pagar churrasco;
  • Distribuir cestas-básicas, sacos de cimento, bloco, caminhão de terra ou dentaduras;
  • Distribuir jogos de camisas para times ou financiar festas.

 Fique atento, pois o seu voto não tem preço, mas sim CONSEQUÊNCIA com duração de 4 anos no mínimo!

Nossa Opinião

O eleitor tem um papel importante na definição da política local, pois é através do voto direto no candidato a prefeito e vereador que estes são confirmados como representantes do povo no poder. É evidente que nem sempre a maioria dos prefeitos e vereadores exerce a função da forma correta como manda a Constituição e lei orgânica municipal. 

O vereador não exercer a função, sobretudo em pequenos municípios, por desconhecer o seu papel, importância e poder que tem nas mãos, ou melhor, em seu mandato no legislativo. Já aqueles que sabe o que tem que fazer e não faz, é porque não tem compromisso algum com os que votaram nele e demais cidadãos.


Devido à falta de ação de um corpo legislativo (grupo de vereadores) as políticas municipais ficam a desejar, contribuindo diretamente para que o poder executivo faça uma gestão ruim e ao bel prazer. Diria que 90% das falhas e erros de uma gestão municipal - aqui me refiro a efetivação das políticas públicas - não acontecem devido a falta de fiscalização, discussão e aprovação de projetos de interesse da coletividade. 

O cidadão tem que está atento no ato de escolher seu/sua representante. O voto é como se fosse uma procuração, dessa forma, passamos a responsabilidade para o outro tomar as decisões. Outro fator importante que o eleitor deve conhecer é a plataforma de governo do candidato a prefeito. O eleitor deve conhecer quais são as políticas públicas, programas, projetos e ações que este deseja realizar quando for o prefeito para valoriza toda a sociedade. Fique atento, antes de escolher seu candidato/a faça uma analise em sua vida e quais suas intenções enquanto candidatos a vereador ou a prefeito.


Assim concluímos que o cidadão tem um papel importante na escolha de seus representantes, seja para mantê-lo no poder ou mesmo tirá-lo.  Cidadão consciente não vende seu voto seja lá por que for a oferta.

INDIGNAÇÃO II #Vamos defender os nossos direitos

 
Conversando com alunos do Colégio Delmiro de Miranda Britto fui informado que mesmo com a mudança de direção alguns problemas continuam evidentes e atrapalhando a comunidade estudantil. A seguir citaremos alunos dos gargalos que persistem devido à falta de solução da Secretaria de Estado da Educação:

1º Falta de MANUTENÇÃO na parte ELÉTRICA - as lâmpadas estão danificadas, assim como os ventiladores não funcionam;

2º Falta de funcionários tanto para questões administrativas, quanto para fazer a limpeza do prédio - os banheiros são um caos, sujos;

3º A quadra está abandonada - desde sua "inauguração" não tem energia elétrica, inviabilizando o uso a noite; as dependências da quadra já se encontram em estado de depredação com portões quebrados, caixa de energia, extintores foram tirados; os cestos de basquete não existem mais, enfim a situação precisa de soluções efetivas;
4º MEDO - professores e alunos tem receio de usar o espaço da quadra para dá suas aulas devido a atitudes de alguns adolescentes/jovens infratores que ameaçam, jogam pedra no local e etc.

A Rede Jovem Canindé/SE publicou uma matéria sobre o assunto no inicio deste ano, clique no link e confira: http://dircaninde.blogspot.com.br/2012/03/quadracolegio-delmiro-porque-esperar-se.html.

Antes da greve dos professores um grupo de alunos do colégio se organizaram e fizeram um abaixo assinado solicitando a melhoria de algumas coisa no colégio. Os alunos entregaram o documento ao promotor e um dos problemas relatados, falta de bebedouros, foi rapidamente resolvido pelo DR'9.

A Rede Jovem Canindé/SE se juntará com o grupo de alunos do colégio Delmiro e produzirá um documento (texto, fotos e vídeo) e entregará ao Ministério Público para que providências sejam tomadas efetivamente pela Secretaria de Estado da Educação. Pois da forma que está não pode continuar.

Reconhecemos o empenho do diretor e demais profissionais da unidade de ensino, todavia, enquanto sociedade civil e alunos devemos ajudá-los a cobrar do Estado uma postura mais efetiva e compromissada com a comunidade estudantil do Colégio Estadual Delmiro de Miranda Britto.

Próxima semana o grupo organizará um cronograma de atividades para fortalecer ainda mais essa luta, em breve divulgaremos aqui e no site da Rede Jovem Canindé/SE - www.dircaninde.blogspot.com

Livros grátis


Caros leitores, sugerimos o acesso ao portal Domínio Público, onde poderá acessar a várias obras, textos, arquivo de mídia, vídeo e muito mais. Aproveite esse veículo de informação usufruindo e sugerindo a outras pessoas também. Dessa forma estaremos contribuindo para que o site seja mantido no ar.

É só clicar no título para  ler ou imprimir.


1. A Divina Comédia -Dante Alighieri 2. A Comédia dos Erros -William Shakespeare 3. Poemas de Fernando Pessoa -Fernando Pessoa 4. Dom Casmurro -Machado de Assis 5. Cancioneiro -Fernando Pessoa 6. Romeu e Julieta -William Shakespeare 7. A Cartomante -Machado de Assis 8.Mensagem -Fernando Pessoa 9. A Carteira -Machado de Assis 10. A Megera Domada -William Shakespeare 11. A Tragédia de Hamlet, Príncipe da Dinamarca -William Shakespeare 12. Sonho de Uma Noite de Verão -William Shakespeare 13.. O Eu profundo e os outros Eus. -Fernando Pessoa 14. Dom Casmurro -Machado de Assis 15.. Do Livro do Desassossego -Fernando Pessoa 16. Poesias Inéditas -Fernando Pessoa 17.Tudo Bem Quando Termina Bem -William Shakespeare 18. A Carta -Pero Vaz de Caminha 19. A Igreja do Diabo -Machado de Assis 20.Macbeth -William Shakespeare 21. Este mundo da injustiça globalizada -José Saramago 22. A Tempestade -William Shakespeare 23. O pastor amoroso -Fernando Pessoa 24. A Cidade e as Serras -José Maria Eça de Queirós 25. Livro do Desassossego -Fernando Pessoa 26. A Carta de Pero Vaz de Caminha -Pero Vaz de Caminha 27. O Guardador de Rebanhos -Fernando Pessoa 28. O Mercador de Veneza -William Shakespeare 29. A Esfinge sem Segredo -Oscar Wilde 30. Trabalhos de Amor Perdidos -William Shakespeare 31. Memórias Póstumas de Brás Cubas -Machado de Assis 32. A Mão e a Luva -Machado de Assis 33. Arte Poética -Aristóteles 34. Conto de Inverno -William Shakespeare 35. Otelo, O Mouro de Veneza -William Shakespeare 36. Antônio e Cleópatra -William Shakespeare 37. Os Lusíadas -Luís Vaz de Camões 38. A Metamorfose -Franz Kafka 39. A Cartomante -Machado de Assis 40. Rei Lear -William Shakespeare 41. A Causa Secreta -Machado de Assis 42. Poemas Traduzidos -Fernando Pessoa 43. Muito Barulho Por Nada -William Shakespeare 44. Júlio César -William Shakespeare 45. Auto da Barca do Inferno -Gil Vicente 46.. Poemas de Álvaro de Campos -Fernando Pessoa 47. Cancioneiro -Fernando Pessoa 48. Catálogo de Autores Brasileiros com a Obra em Domínio Público -Fundação Biblioteca Nacional 49. A Ela -Machado de Assis 50. O Banqueiro Anarquista -Fernando Pessoa 51. Dom Casmurro -Machado de Assis 52. A Dama das Camélias -Alexandre Dumas Filho 53. Poemas de Álvaro de Campos -Fernando Pessoa 54. Adão e Eva -Machado de Assis 55. A Moreninha -Joaquim Manuel de Macedo 56. A Chinela Turca -Machado de Assis 57. As Alegres Senhoras de Windsor -William Shakespeare 58. Poemas Selecionados -Florbela Espanca 59. As Vítimas-Algozes -Joaquim Manuel de Macedo 60. Iracema -José de Alencar 61. A Mão e a Luva -Machado de Assis 62. Ricardo III -William Shakespeare 63. O Alienista -Machado de Assis 64. Poemas Inconjuntos -Fernando Pessoa 65. A Volta ao Mundo em 80 Dias -Júlio Verne 66. A Carteira -Machado de Assis 67.Primeiro Fausto -Fernando Pessoa 68. Senhora -José de Alencar 69. A Escrava Isaura -Bernardo Guimarães 70. Memórias Póstumas de Brás Cubas -Machado de Assis 71. A Mensageira das Violetas -Florbela Espanca 72. Sonetos -Luís Vaz de Camões 73. Eu e Outras Poesias -Augusto dos Anjos 74. Fausto -Johann Wolfgang von Goethe 75. Iracema -José de Alencar 76. Poemas de Ricardo Reis -Fernando Pessoa 77. Os Maias -José Maria Eça de Queirós 78. O Guarani -José de Alencar 79. A Mulher de Preto -Machado de Assis 80. A Desobediência Civil -Henry David Thoreau 81. A Alma Encantadora das Ruas -João do Rio 82. A Pianista -Machado de Assis 83. Poemas em Inglês -Fernando Pessoa 84. A Igreja do Diabo -Machado de Assis 85. A Herança -Machado de Assis 86. A chave -Machado de Assis 87.. Eu -Augusto dos Anjos 88. As Primaveras-Casimiro de Abreu 89. A Desejada das Gentes -Machado de Assis 90. Poemas de Ricardo Reis -Fernando Pessoa 91. Quincas Borba -Machado de Assis 92. A Segunda Vida -Machado de Assis 93. Os Sertões -Euclides da Cunha 94. Poemas de Álvaro de Campos -Fernando Pessoa 95. O Alienista -Machado de Assis 96. Don Quixote. Vol. 1 -Miguel de Cervantes Saavedra 97. Medida Por Medida -William Shakespeare 98. Os Dois Cavalheiros de Verona -William Shakespeare 99. A Alma do Lázaro -José de Alencar 100. A Vida Eterna -Machado de Assis 101. A Causa Secreta -Machado de Assis 102. 14 de Julho na Roça -Raul Pompéia 103. Divina Comedia -Dante Alighieri 104. O Crime do Padre Amaro -José Maria Eça de Queirós 105. Coriolano -William Shakespeare 106. Astúcias de Marido -Machado de Assis 107. Senhora -José de Alencar 108.Auto da Barca do Inferno -Gil Vicente 109. Noite na Taverna -Manuel Antônio Álvares de Azevedo 110. Memórias Póstumas de Brás Cubas -Machado de Assis 111. A 'Não-me-toques' ! -Artur Azevedo 112. Os Maias -José Maria Eça de Queirós 113. Obras Seletas -Rui Barbosa 114.A Mão e a Luva -Machado de Assis 115. Amor de Perdição -Camilo Castelo Branco 116. Aurora sem Dia -Machado de Assis 117. Édipo-Rei -Sófocles 118. O Abolicionismo -Joaquim Nabuco 119. Pai Contra Mãe -Machado de Assis 120. O Cortiço -Aluísio de Azevedo 121. Tito Andrônico -William Shakespeare 122. Adão e Eva -Machado de Assis 123. Os Sertões -Euclides da Cunha 124. Esaú e Jacó -Machado de Assis 125. Don Quixote -Miguel de Cervantes 126. Camões -Joaquim Nabuco 127. Antes que Cases -Machado de Assis 128. A melhor das noivas -Machado de Assis 129. Livro de Mágoas -Florbela Espanca 130. O Cortiço -Aluísio de Azevedo 131. A Relíquia -José Maria Eça de Queirós 132. Helena -Machado de Assis 133. Contos -José Maria Eça de Queirós 134. A Sereníssima República -Machado de Assis 135. Iliada -Homero 136. Amor de Perdição -Camilo Castelo Branco 137. A Brasileira de Prazins -Camilo Castelo Branco 138.. Os Lusíadas -Luís Vaz de Camões 139. Sonetos e Outros Poemas -Manuel Maria de Barbosa du Bocage 140. Ficções do interlúdio: para além do outro oceano de Coelho Pacheco.-Fernando Pessoa 141. Anedota Pecuniária -Machado de Assis 142. A Carne -Júlio Ribeiro 143. O Primo Basílio -José Maria Eça de Queirós 144. Don Quijote -Miguel de Cervantes 

145. A Volta ao Mundo em Oitenta Dias -Júlio Verne 146. A Semana -Machado de Assis 147. A viúva Sobral -Machado de Assis 148. A Princesa de Babilônia -Voltaire 149. O Navio Negreiro -Antônio Frederico de Castro Alves 150. Catálogo de Publicações da Biblioteca Nacional-Fundação Biblioteca Nacional 151. Papéis Avulsos -Machado de Assis 152. Eterna Mágoa -Augusto dos Anjos 153. Cartas D'Amor -José Maria Eça de Queirós 154. O Crime do Padre Amaro -José Maria Eça de Queirós 155. Anedota do Cabriolet -Machado de Assis 156. Canção do Exílio -Antônio Gonçalves Dias 157. A Desejada das Gentes -Machado de Assis 158. A Dama das Camélias -Alexandre Dumas Filho 159. Don Quixote. Vol. 2 -Miguel de Cervantes Saavedra 160. Almas Agradecidas -Machado de Assis 

161. Cartas D'Amor - O Efêmero Feminino -José Maria Eça de Queirós 162. Contos Fluminenses -Machado de Assis 163. Odisséia -Homero 164. Quincas Borba -Machado de Assis 165. A Mulher de Preto -Machado de Assis 166. Balas de Estalo -Machado de Assis 167. A Senhora do Galvão -Machado de Assis 168. O Primo Basílio -José Maria Eça de Queirós 169. A Inglezinha Barcelos -Machado de Assis 170. Capítulos de História Colonial (1500-1800) -João Capistrano de Abreu 171. CHARNECA EM FLOR -Florbela Espanca 172. Cinco Minutos -José de Alencar 173. Memórias de um Sargento de Milícias -Manuel Antônio de Almeida 174. Lucíola -José de Alencar 175.. A Parasita Azul -Machado de Assis 176. A Viuvinha -José de Alencar 177. Utopia -Thomas Morus 178. Missa do Galo -Machado de Assis 179. Espumas Flutuantes -Antônio Frederico de Castro Alves 180. História da Literatura Brasileira: Fatores da Literatura Brasileira -Sílvio Romero 181. Hamlet -William Shakespeare 182. A Ama-Seca -Artur Azevedo 183. O Espelho -Machado de Assis 184. Helena -Machado de Assis 185. As Academias de Sião