Outras páginas

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Jornal da Cidade entrevista Ednaldo da Farmácia "Um bom prefeito é aquele que é capaz de satisfazer aos anseios da população."

O comerciante Ednaldo Vieira Barros, mais conhecido como Ednaldo da Farmácia, estreia na política disputando a Prefeitura de Canindé do São Francisco. Apoiado pelo atual prefeito Orlando Andrade, ele conta que é um empresário pioneiro que chegou há muito tempo na cidade. Ednaldo diz que Orlandinho realizou uma boa administração e que Canindé vem crescendo muito, e contesta a informação de que a cidade tem “tanta pobreza” como alguns acham. Leia a seguir a entrevista que ele concedeu ao JORNAL DA CIDADE. Confira a seguir.

JORNAL DA CIDADE - Por que o senhor quer ser prefeito de Canindé do São Francisco?

Ednaldo Vieira - Cheguei em Canindé em 1985. Acompanhei a política do município desde aquela época. Eu e minha esposa Débora, a primeira comerciante do ramo de confecção da cidade, somos pioneiros no setor comercial desta nova Canindé. Presenciei todas as transformações sociais, culturais e políticas desta terra que me acolheu e eu adotei nestes quase 30 anos. Criei meus filhos aqui, participei do desenvolvimento econômico, e construí muitas amizades. Amo esta terra e sou querido pelo povo. Como empresário, pai de família, canindeense de coração me sinto realizado, contudo, creio que posso contribuir muito mais ainda para com o nosso município e munícipes.

JC - Um bom prefeito, além de lidar com questões administrativas deve fazer projetos, lidar com a base de vereadores e buscar recursos em Brasília, entre outras coisas. O senhor acha que possui experiência política para isso?

EV - Um bom prefeito é aquele que é capaz de satisfazer aos anseios da população. Deve amar e conhecer profundamente a terra em que mora e trabalha, deve se cercar de auxiliares competentes, de profissionais eficazes; deve ser um homem de boa índole, honesto, com passado limpo, sem envolvimentos em falcatruas. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é o nosso maior exemplo de que, mais do que experiência administrativa, o importante é estar comprometido com o povo. Conheço como ninguém a nossa realidade, os nossos anseios e necessidades. Sou inteligente, terei uma equipe competente, tenho experiência administrativa e saberei elaborar projetos, dialogar com os vereadores e captar recursos nas demais esferas de poder.

JC - Na sua avaliação, qual é hoje o principal problema de Canindé e qual é a solução que o senhor apresenta para ele?

EV - Vamos falar francamente: não há o principal problema. Existem problemas inerentes a toda cidade que se desenvolve. Mas posso dizer com segurança que temos de enfrentar as demandas que aumentaram muito a partir do momento que o prefeito Orlandinho promoveu ações que mostram à população que todos têm direito à melhor qualidade de vida. O último censo em Canindé revelou o crescimento da população em dez mil habitantes. Minha obrigação é responder positivamente às exigências que são justas. Como prefeito, creio ser leviano apontar este ou aquele problema como maior ou mais importante. Todas as áreas merecem atenção.

JC - O governador Marcelo Déda disse que o peixe do PSC, o seu partido, é uma traíra. No entanto ele apoia a sua candidatura. Porque isso acontece? Não te incomodou o comentário?

EV - Não, não me incomodou. Não serei leviano em julgar o Governador Marcelo Déda por uma frase, por uma palavra. O Governador, com a experiência, com a vivência política que possui, com a competência em governar o Estado de Sergipe, me honra com seu apoio. E se ele me apoia é por que ele acredita que corresponderei aos anseios do povo de Canindé e que também estarei ao seu lado sempre. Por gratidão e por compromisso com a política feita de forma ética, limpa.

JC - Sendo eleito você será um prefeito que em 2014 provavelmente terá que escolher entre dois prováveis candidatos a governador: um do seu partido e outro ligado ao governo. Já pensou nisso? Como fará essa escolha? Poderá ficar contra o seu partido?

EV - Esta é uma pergunta que não deve ser respondida de forma irrefletida. Creio que o bom senso recomenda esperar a evolução política dos próximos anos. Escolhas sempre são feitas. Este diário, por exemplo, escolheu esta pergunta para ser dirigida a mim por motivos que o senhor entende como justos. As escolhas serão feitas, as decisões serão tomadas no seu devido tempo, sem arrogância, sem pretensão, mas, sim, com o discernimento necessário.

JC - Porque Canindé dispõe de tantos recursos e ainda existe tanta pobreza no município?

EV - Primeiro, não existe “tanta pobreza” como a pergunta insinua. E por ser comerciante, falo com conhecimento de causa. As pessoas bem informadas sabem que Canindé é um dos municípios que mais cresce em Sergipe e possui uma economia pujante e sustentável. Para se ter uma ideia do nosso desenvolvimento, em menos de oito anos, mais de 340 empresas foram criadas, número bastante expressivo e muito invejável. Na gestão do prefeito Orlandinho, criou-se mais empresas do que em todos os anos de existência do município. Por estarmos localizados numa região fronteiriça, entre os estados da Bahia, Alagoas, e muito próximo de Pernambuco, recebemos milhares de migrantes destes estados. Estes migrantes, que fogem da miséria. Acolhemos e prestamos serviços para cidadãos de outros municípios de Sergipe, Bahia e Alagoas. A notícia inverídica de que Canindé tem muita pobreza tem como objetivo denegrir a boa administração do prefeito Orlandinho e, por conseguinte, atingir a minha candidatura. Chegam ao ponto de inventarem IDH falso do nosso município, pois sabemos que a última divulgação do mesmo ocorreu em 2003. Temos migrantes pobres em busca de um lugar ao sol, mas não temos pobreza como tentam pregar.

JC - A arrecadação de Canindé atrai políticos para disputarem a prefeitura?

EV - Esta é uma pergunta que muitos canindeenses estão fazendo neste período eleitoral. Só após longos anos de trabalho e participação no crescimento de Canindé, contribuindo para a geração de emprego e renda, participando efetivamente do desenvolvimento político, cultural e social desta terra abençoada por Deus, só agora, sinto-me preparado, capacitado, para administrar a prefeitura. E se a arrecadação de Canindé é alta, que bom para nós que moramos, vivemos, trabalhamos em Canindé. Ao prefeito (se é realmente um político que repudia o escândalo, as máfias, os atos imorais) cabe a lisura, o zelo, a transparência no trato da coisa pública. É o que farei: lidar de forma honesta com os recursos públicos. Sou e faço questão de me manter ficha limpa.

JC - Cite um projeto seu para a área da Saúde e outra para a Educação.

EV - Um projeto apenas não representa nossa disposição para realizar ações positivas nessas duas áreas. Creio que, na área da Saúde, temos que investir pesado na aquisição de equipamentos modernos para o novo hospital e ampliação no quadro de médicos especializados. Se Canindé é o segundo município em qualidade de atendimento do SUS, segundo o Ministério da Saúde, vamos buscar o primeiro lugar. A continuidade na ampliação do sistema de esgotamento sanitário, que hoje atende a toda sede municipal, será uma prioridade para os povoados de Curituba, Capim Grosso e Cuiabá. Saneamento básico também é sinônimo de Saúde, vamos investir.

JC - Como está o problema da seca na região? Os governos federal e estadual tem conseguido resolver a questão? A população ainda passa dificuldades?

EV - Sim, as dificuldades existem. Negar isso seria pura covardia, pura hipocrisia. Não posso responder pelo governo de Orlandinho, mas sei que não falta água para consumo humano e animal em nenhuma comunidade do município. Estamos levando adiante ações que buscam, pelo menos, minimizar os efeitos naturais da seca. Mas, como candidato, tenho obrigação de apresentar soluções. O Programa Água no Campo é uma delas. E sei que terei bom trânsito com os governos estadual e federal para buscar recursos.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos pela sua visita e comentário.