Outras páginas

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Proselitismo ético

Por Denisson Salustiano
 
 
 
Desde o início do período eleitoral pelo qual passamos, duas expressões costumam persistir na minha mente. Ética e proselitismo político. A primeira é tão famosa quanto os escândalos de corrupção em Brasília. Ela consiste no conjunto dos valores morais que orientam o comportamento humano. A segunda, por sua vez, causa estranheza aos ouvidos menos atentos. Seu conceito está em empenhar-se de maneira ativista a converter pessoas em favor de uma determinada causa política.
 
Sob o pretexto de anunciar as falhas da atual administração e buscar melhorias para a população que ainda carece em alguns aspectos, determinados senhores intitulados de jornalistas esquecem descaradamente os princípios que norteiam o dom de quem escreve. O ‘jornalismo blogueiro’ em Canindé de São Francisco tem armado disparates disfarçados sob o nome de notícia para manipular o leitor menos crítico.
 
A tentativa de destruição da reputação do candidato a prefeito Ednaldo da Farmácia e de sua campanha é algo recorrente em vários escritos publicados recentemente no município. Publicações essas realizadas por ‘jornalistas’ que se dizem preocupados com o bem comum.
 
Entretanto, esses mesmos ‘jornalistas’ não tem demonstrado o menor esforço em esclarecer a população quanto aos escândalos de corrupção nos quais estão envolvidos os candidatos da oposição. Também nunca escreveram nada que ao menos citasse a relação entre a Lei da Ficha Limpa e a possível e justa invalidez das candidaturas oposicionistas. Assim, não divulgando todos os fatos de interesse público, como deveriam por obrigação moral.
 
A credibilidade desses ‘jornalistas’ ao publicar seus escritos é mínima ou ainda inexistente, pois não honram, valorizam ou dignificam o código de ética a quem devem respeito. Ao utilizar a mídia escrita para o benefício do interesse próprio, negam voz e vez à população.
 
“A ética deve acompanhar sempre o jornalismo, assim como o zumbido acompanha o besouro.” (Gabriel García Márquez)


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos pela sua visita e comentário.